Você está grávida e é mamãe de primeira viagem?

Se respondeu sim a minha pergunta acima, queria dividir algumas coisas com você.

Se respondeu não, esse texto também é para você, pois acredito que poderá se identificar com minhas considerações.

Os primeiros 2 meses (ou mais, em alguns casos) serão de total “adaptacção”:

baby

Enquanto os primeiros dias com o bebê em casa serão de descobertas (do tipo tentar decifrar cada choro – e você vai conseguir bem rápido), os primeiros meses com ele serão de adaptação de toda a família. O sono será diferente, a hora das refeições será diferente, a própria refeição será diferente. Se você está acostumada a prepará-las, pode precisar de ajuda de alguém para isso ou pedir comida fora de vez em quando.

Ah! Os banhos também vão mudar! Vai demorar um pouquinho para você tomar aquele banho delicioso e relaxante de rainha, sabe? Mesmo se não estiver sozinha com o baby, vai querer tomar banhos mais curtos, afinal ele pode precisar de você justamente enquanto estiver lavando o cabelo (e isso provavelmente irá acontecer).

Muitas dúvidas vão aparecer: a pele descascar é normal? Fazer tanto cocô é normal?  Suar tanto pela cabeça é normal? E muitas mais… diferentes ou iguais a estas, afinal cada bebê funciona de um jeito e cada família estará preparada (ou não) até certo ponto. É bom ir anotando tudo o que precisar de resposta para as primeiras consultas ao pediatra, e acredite, eles estão super acostumados com essas listinhas!

Depois fica mais fácil…

IMG_1278

Aí os meses vão passando, seu bebê vai interagindo mais. Fazendo caretas quando não curte alguma coisa (o mais fofo são os biquinhos antes de chorar) e você vai reconhecer aquela confortável carinha de “não preciso de nada agora”.

Todo aquele começo de dúvidas será rapidamente lembrado com muito humor ou até mesmo esquecido, e com 5 ou 6 meses você já vai estar pensando: “Até que somos bons pais… já podemos ter outro!” rs.

E, mais do que nunca, cada SEGUNDO é especial, por mais tenso que seja, vai passar rápido demais, e não tem como fugir disso. Por isso curta muito, cheire muito, pegue no colo sempre que der vontade, faça o que o seu coração mandar mesmo que isso não seja o que outras pessoas fariam. Afinal, o filho é seu! :-)

Um abraço!

Cecília

 

 

Leia Mais